Two-Islands_evento.png

TWIN ISLANDS

de Sara Bichão e Violaine Lochu

Curadoria de Ann Stouvenel e Marcel Dinahet

Inauguração: 02 de Setembro
18h — 21h

Exposição: 02.09 - 02.10
14h - 20h

Ainsi semble-t-il que même les îles aiment se tenir compagnie.1

(Portanto, parece que até as ilhas gostam de se manter umas às outras)

Tal como as mulheres naufragadas, Sara Bichão e Violaine Lochu vivem durante um tempo separadas em duas ilhas atlânticas, perto das costas europeias. A primeira, desembarcada na ilha de Ouessant 2 , descobriu materiais vernáculos, lendas locais, o direito ao brie 3 e ao isolamento, afixados  na sala de vigia do farol Créac'h, que serviu como o seu retiro. A segunda desembarcou na ilha de São Miguel 4 , num contexto intrinsecamente diferente, onde a ondulação e os ventos são mais clementes e o mar traz de volta sons das profundezas.  Irão embarcar numa caminhada frenética através destas regiões insulares na esperança de encontrarem, como Werner Herzog na estrada de gelo? 5 Irão receber sinais das correntes? Que dualidade, reciprocidade ou experiências comuns resultarão destas viagens? É assim lançada uma comunicação de longa distância, aguardando a reunião. 

 

T - Tic tac
W - Whale
I - Ignition
N - Necessary

I - Invert
S - Signal
L - Latitude
A - Antena
N - Noise ?
D - Daboecia Azorica
S - Silence.

 

É o ambiente que inicialmente as separa que acaba por conectá-las. São comidas, envolvidas por este organismo gigante imprevisível que é o espaço marítimo, aqui observado, vigiado, fantasiado. A partir das ilhas, olham para a distância. Com os seus sentidos apurados, procuram-se uma à outra, não conseguem manter os olhos atentos aos detalhes da vida quotidiana. Em vez disso, enfrentam o tempo de expansão, ouvem as baleias, falam com as plantas circundantes, familiarizam-se com a linguagem do mar e aproximam-se da espacialização acima e abaixo do horizonte.
Como se apanhadas neste tempo e espaço que parece estender-se infinitamente diante dos seus olhos, Violaine Lochu e Sara Bichão regressam com experiências singulares e uma coleção de sons, sinais e formas que nos transmitem através de objectos fabulosos. Do silêncio, nascem assim esculturas com formas brutas e de criação instintiva. Este conjunto de objetos produzidos por Sara é então ativado por Violaine que, através de uma composição vocal e coreográfica, nos transmite notas do fundo do mar. Ao vestir o fato criado na sala de vigia do Créac'h e ostentando os escritos de um oráculo que chegou até nós, este ser humano faz a sua dupla leitura desta experiência.

 

Ann Stouvenel

Uma colaboração entre Sara Bichão e Violaine Lochu

1. D.H. Lawrence,  L’homme qui aimait les îles, Éditions de l'Arbre vengeur, 2021, p.17.

2. A ilha de Ouessant está situada ao largo da costa de Brest (França).

3. O droit de brie era o direito, durante o Ancien Régime, de dar a propriedade dos naufrágios e cargas de navios naufragados aos ilhéus. Em Ushant, ainda é costume colocar uma pedra sobre o objeto encontrado e cobiçado. Assim reservado, permanece à espera de ser recolhido pelo seu proprietário.

5. Werner Herzog, Sur le chemin des glaces, Éditions Payot et Rivages, 2009.

biografia

Sara Bichão tem vindo a desenvolver um caminho que cruza escultura, desenho, pintura e performance. Os seus trabalhos lidam geralmente de diferentes formas com questões de propriedade, reconversão e transformação de objetos ou outro tipo de intenções formais que têm uma história relacional em si mesmas.

Nos últimos anos, Sara tem vindo a realizar várias residências artísticas, primeiro a Residency Unlimited em Nova Iorque (2012) e mais recentemente a Cité Internationale des Arts em Paris (2019), com a ajuda do Institute Français. Os seus trabalhos foram expostos em instituições como o MAC Lyon, Fundação Calouste Gulbenkian, Museu MAAT, entre outras.

O trabalho de Violaine Lochu explora a voz como veículo de encontro e metamorfose. Durante longos períodos de imersão em ambientes específicos, ela recolhe diferentes materiais sonoros e visuais a partir dos quais cria performances, instalações sonoras, vídeos e edições. 

Nascida em 1987, Violaine Lochu é licenciada pela ENSAPC (Ecole nationale supérieure d'art de Paris Cergy) e tem um mestrado em investigação de artes plásticas (Université Rennes 2). Vencedora do prémio Aware 2018 e do prémio de performance 2017 do Salon de la Jeune Création, atuou no Centre Pompidou, Palais de Tokyo, Parade for FIAC 2017, Jeu de Paume, Kunstverein em Munique (Alemanha), Centre d'Art Contemporain em Genebra (Suíça), e Théâtre le 4e art em Tunis, entre outros. 

TWIN ISLANDS insere-se no vetor de programação Para os olhos mas não só.

PROJETO | PARCERIAS | APOIOS

Uma proposta de Finis terrae - Centre d'art insulaire (França) e vaga - espaço de arte e conhecimento (Portugal). Em parceria com Passerelle - Centre d'art em Brest (França) e Carpintarias de São Lázaro - Centro Cultural em Lisboa (Portugal). Evento organizado como parte da Época França-Portugal 2022. Com o apoio da Câmara Municipal de Ouessant, do Conseil départemental du Finistère, do Conseil régional de Bretagne, do DRAC Bretagne - Ministère de la Culture e do Institut français em Paris.