BAUKUNST | Tendency & Fact

1 — 30 Outubro
Inauguração: 17h — 21h

A arquitectura é feita de matéria concreta, contudo, os seus limites são difusos. Está sempre imersa numa certa neblina, numa atmosfera sintonizada com as incertezas da sociedade contemporânea. Esta exposição apresenta o trabalho do atelier Baukunst, a sua prática de ensino e investigação, desenvolvida em simultâneo na sua sede em Bruxelas e na École Polytechnique Fédérale de Lausanne. Usa maquetas, animações e filmes para escrutinar a arquitectura, encontrando novas formas para explorar e compreender as vantagens (e desvantagens) de objectos performativos com os quais se constrói. Os projectos apresentados tratam do vento, sol, humidade e outras formas através das quais se move a energia. A arquitectura é chamada a interagir com estes fenómenos físicos e nesse processo pode ser muito mais do que um mero artefacto. Pode subverter categorias estabelecidas como interior e exterior, forma e estrutura, visível e invisível. As experiências apresentadas nesta exposição demonstram como a investigação em arquitectura pode ser frutífera.



O êxito desta postura reside no modo vivaz e por vezes bem humorado através do qual a tecnologia é compreendida. Em vez de tomar por garantido o paradigma funcional e unidireccional da engenharia do

passado, estas arquitecturas vêem as suas funções ser assaltadas, os projectistas levam a cabo détournements e extraem conhecimentos úteis de recursos aparentemente fechados. As estratégias artísticas são

fundamentais para estes passos ambiciosos, muitas vezes operando primeiro na esfera conceptual antes de materializar as ideias em resultados intrigantes. Estas estratégias de investigação não abandonam necessariamente a dureza quotidiana do estaleiro de obra, a dura realidade dos clientes, as restrições financeiras, nem sequer as simples limitações tecnológicas da indústria da construção. A tecnologia é real, mas a investigação e experimentação podem esticar os seus limites e construir um mundo encantado e promissor que transforma as tendências difusas do presente em factos concretos.



O epicentro desta exposição é a energia, o tópico quente de hoje. Enquanto constrói o nosso ambiente, a arquitectura desempenha um papel fundamental na regulação dos agentes climáticos e comportamentos humanos e não-humanos. Estas experiências não foram concebidas em função de uma posição moralista sobre a energia, mas exploram o potencial da arquitectura para ser relevante num momento de redefinição cultural. A tecnologia pode tornar-se rapidamente obsoleta, dar soluções e conteúdos definitivos a desafios intangíveis; corre o risco de anular o poder transformador de objectos fascinantes. A tecnologia pode tornar-se rapidamente obsoleta, dar soluções e conteúdos definitivos a desafios intangíveis; corre o risco de anular o poder transformador de objectos fascinantes.

Esta fronteira define uma aproximação à investigação de alto-risco/alto-ganho: é a sua capacidade para operar no fio-da-navalha. Os resultados destas experiências exploratórias não são os feitos de gadgets técnicos, mas sim a capacidade de expandir a percepção da arquitectura, melhorar a performance dos edifícios ao incorporar soluções indefinidas e inesperadas. Esta ambiguidade é chave para fazer face aos problemas energéticos — para encontrar as respostas necessárias temos de continuar à procura. Esta exposição é um contributo para levar a cabo essa quimera.



BAUKUNST: Tendency & Fact insere-se no vetor de programação Para os olhos mas não só.





Baukunst foi fundada em 2010 em Bruxelas, Bélgica, e a partir de 2017 em Lausanne, Suíça. Uma conjunção de ciências e artes, o atelier desenvolve o medium arquitectónico como uma ferramenta de diálogo para reunir diferentes formas de conhecimento. Baukunst opera e cria ambientes construídos através da construção de objectos performativos; encenando agentes reais e mnemónicos, vivos e não-vivos.





Ficha artística



Curador: Baukunst

Coordenação: Architecture Curating Practice

Introdução: André Tavares

Desenho da exposição: Baukunst, Chevalier Masson

Editor convidado: Accattone

Filmes: Atmoslab, Baukunst, Artefactorylab Olivier Campagne, Maxime Delvaux

Maquetas: Baukunst, Julien Dutertre

Co-Produção: A+ Architecture in Belgium, BOZAR Centre for Fine Arts Brussels

Agradecimentos: Amélia Brandão Costa, Anthony Butcher, Pauline Clarot, Philémon Léchot, Ricardo Lima, Carlo Menon, Rodrigo Costa Lima, Lucas Shooner, André Tavares, Mathilde Vandervorst Icare Chevroulet, Lucia Decalf, Jonas Elben, Hamza El Graoui, Elitsa Ilieva, Christian Kalmus, Fabien Maes, Amandine Thierry-Nanasi, Matthieu Sistek, Sebastien Wegmuller (Studio EPFL)

Parceria: Carpintarias de São Lázaro

Apoio: École Polytechnique Fédérale Lausanne, panoramah!, Porto Academy, Wallonia-Brussels Federation, Wallonia-Brussels Architectures, artebel