Capa-Rui-Mourão.png

LABORATÓRIO HUNI KUIN: DOIS E O ESPÍRITO DE GNOSJÖ

de Rui Mourão

Inauguração: 14 de Julho
18h — 21h

Exposição: 14.07 - 21.08
14h - 20h

LABORATÓRIO HUNI KUIN é um projeto entre a Europa e a Amazónia que pesquisa a arte como ritual e o ritual como arte. O espectador é convidado a uma jornada artístico-xamânica a partir de uma videoinstalação multicanal em três núcleos. Começa com o vídeo O ESPÍRITO DE GNOSJÖ e termina com o vídeo DOIS. Em ambos e entre ambos há um ambiente profundamente onírico e poético, com diversas camadas de significado, numa busca de identidade (do Eu e do consciente) e de alteridade (no Outro e no inconsciente).

 

Cruza-se realidade e ficção em diferentes espaços e tempos: procurando as sombras de algo essencial nos despojos, criando enigmáticos jogos de computador, participando em rituais do povo Huni Kuin na Amazónia, dançando num museu europeu para descolonizar corpos indígenas mumificados, fazendo despedidas emotivas numa festa em Lisboa, brincando com uma criança nos campos da Suécia, seguindo dois ex-namorados em viagem pela Itália, caminhando pelo estúdio de um artista e, em pandemia, revelando uma comunidade pelas máquinas, o desejo de cura e os passos de quem a doença levou.

LABORATÓRIO HUNI KUIN: DOIS E O ESPÍRITO DE GNOSJÖ insere-se no vetor de programação Para os olhos mas não só.

biografia

Rui Mourão (1977, Lisboa) é artista e investigador em estudos artísticos. Faz videoarte em relação com antropologia audiovisual, escrita, instalação e performance. Estudou artes na Universidade Autónoma de Barcelona e no Centro de Estudos Cinematográficos da Catalunha; na Escola Maumaus, em Lisboa; e na Academia de Artes de Malmö, na Suécia. Fez pós-graduação em Culturas Visuais Digitais e mestrado em Antropologia, ambos no ISCTE. É atualmente doutorando em Estudos Artísticos na Universidade Nova de Lisboa, com bolsa da FCT. Recebeu o prémio do público no FUSO - Anual de Vídeo Arte Internacional de Lisboa (2010), o prémio da Associação Portuguesa de Antropologia para melhor ensaio audiovisual (2019) e menções honrosas em categorias de cinema experimental nos Art Film Awards (2021), no Athens International Monthly Art Film Festival (2021) e no VIFF - Venice Intercultural Film Festival (2022). Participou na GIBCA Extended - Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Gotemburgo (2021). Fez várias residências artísticas, colaborações, conferências, artigos e livros. Expôs em mais de 100 exposições, festivais e mostras em 17 países.