Seminário de Residências Artísticas: Ponto(s) de Situação

Contextos, mapeamentos e estratégias de programação

Comissão Organizadora

 

 

  • Ana Gago: é Bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia () e doutoranda em Estudos de Património, no Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes - CITAR (Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa). A sua investigação situa-se na interseção entre as artes, o património e a programação cultural. É membro honorário da engage (National Association for Gallery Education) e ICOM Portugal. Integra ainda o coletivo de ciberliteratura, d1g1it0, sendo co-autora do projeto “Oráculo”, vencedor, em 2019, de menção honrosa, numa recriação interativa a partir de uma lenda local; a lenda da Bruxa d’Arruda. https://www.researchgate.net/profile/Ana-Gago-6 | https://wreading-digits.com/

  • Bruna Lobo: Doutoranda em Ciências da Arte e Património na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, onde é investigadora nível colaborador do Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes (CIEBA), membro do Grupo de Ciências da Arte Francisco de Holanda e desenvolve o estudo doutoral: “Os artistas viajantes e o desenvolvimento da viagem cultural: os álbuns e as cartas de Francisco Vieira Portuense (1765-1805)”. Mestre em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) com a dissertação “Fotografia e marketing: uma análise dos atrativos turísticos da cidade de João Pessoa, Especialista em Docência Superior pela Universidade Gama e Filho (UGF) com a monografia: “A prática do ensino superior em turismo” e Bacharel em Turismo pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) com o trabalho “A motivação para viajar pelos artistas paraibanos”.

  • Diogo Freitas da Costa (Lisboa, 1972) é artista plástico e investigador na área da teoria e história da arte. Licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL) e Mestre em Crítica, Curadoria e Teorias da Arte (FBAUL), ao longo dos anos desempenhou diversas atividades pedagógicas e de docência na área das artes visuais em instituições ligadas a diferentes contextos de aprendizagem -  desde o ensino secundário até às áreas da doença mental e da deficiência. Encontra-se atualmente a realizar um Doutoramento em Artes, - especialidade Ciências da Arte e do Património (FBAUL) - financiado com uma bolsa da FCT -e integrado como investigador convidado no Centro de Investigação em Belas Artes (CIEBA).

 

Comissão Científica

  • Fernando Paulo Rosa Dias: é Professor Auxiliar do Departamento de Ciências da Arte e do Património da Faculdade de Belas-Artes, Universidade de Lisboa (FBAUL), membro integrado do Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes (CIEBA). Doutoramento em Ciências da Arte (FBAUL) com a tese A Nova-Figuração nas Artes Plásticas em Portugal (1958-1975). Mestre em História da Arte Contemporânea (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa). Criação e coordenação científica da Revista Convocarte. (http://convocarte.belasartes.ulisboa.pt/). Coordenação científica do catálogo raisonné António Dacosta (http://gulbenkian.pt/dacosta/). Livros de autor: António Dacosta – A Tentação Mítica, 2016; Ecos Expressionistas na Pintura Portuguesa Entre-Guerras (1914-1940), 2011. Tem publicado, participado ou coordenado eventos sobre a arte portuguesa do século XX, a relação entre as artes, a história e cultura da imagem ou ainda em torno dos discursos relativos à arte, sobretudo no âmbito dos problemas da investigação em artes.

  • Laura Castro: Diretora Regional de Cultura do Norte. Doutorada em Arte e Design pela Universidade do Porto. Professora na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, de que foi diretora entre 2013 e 2017, e investigadora do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes da mesma Escola. Entre o início da década de 90 e 2006, trabalhou no sector cultural. É membro da APHA (Associação Portuguesa de Historiadores de Arte) e da AICA (Associação Internacional de Críticos de Arte). Foi membro dos órgãos sociais do Círculo de Cultura Teatral / Teatro Experimental do Porto a partir de 2003 e presidiu à sua direção entre 2015 e 2021.

  • Susana de Araújo Gastal: é professora Doutora Titular na Universidade de Caxias do Sul. É Pesquisadora e Orientadora do Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade. Possui Estágio Pós-Doutoral na Universidade Católica Portuguesa (2012-2013). É Doutora em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002) com a tese Alegorias urbanas: o passado como subterfúgio. Possui Mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) com o título Imagens e identidade visual: a pintura em Porto Alegre, 1891-1930. Possui Graduação em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1974). Atua na área de Turismo e na área cultural como editor, curador e produtor. Tem diversos livros publicados além de artigos em revistas acadêmicas. Foi diretora científica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (ANPTUR) no biênio 2017-2019, já tendo exercido o cargo entre 2009-2011. Eleita em 2013 como Destaque em Pesquisa - ANPTUR. É bolsista CNPq de Produtividade em Pesquisa 1D. Foi reconhecida na categoria academia com o Prêmio Nacional do Turismo 2019 promovido pelo Ministério do Turismo do Brasil e é a editora científica da Revista Rosa dos Ventos Turismo e Hospitalidade desde 2009.

Keynote Session

  • Paulo Pires do Vale: filósofo, ensaísta e curador. Foi Presidente da Associação Internacional de Críticos de Arte - Portugal. É, desde 2019, Comissário do Plano Nacional das Artes, uma iniciativa dos Ministérios da Cultura e da Educação.

 

 

Painel 1

  • Manuel San-Payo: Licenciado em pintura na E.S.B.A.L (1985). Professor Auxiliar de Desenho na F.B.A.U.L. Tem uma vasta colaboração como ilustrador em jornais, livros, capas de discos, cartazes. Membro fundador da Galeria Monumental, em Lisboa, de cuja direcção faz parte e é curador.

 

  • Maria João Castro: é investigadora integrada do Centro de Humanidades (CHAM) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA/FCSH). Doutorada em História da Arte Contemporânea, integrou comissões científicas, organizou/participou em eventos académicos e publicou artigos em ações levadas a cabo em Portugal, Espanha, França, Escócia, Roménia, Itália, Dubai, Brasil, Nova Zelândia e Zanzibar. Os seus domínios de especialização centram-se na História da Arte e Cultura Contemporânea, infletindo na ligação da Arte com o Poder quer em relação à Viagem e aos estudos (Pós) Coloniais, quer no que concerne ao Turismo. É presentemente Pós-Doc com bolsa da FCT com o projeto “ArTravel. Viagem e Arte Colonial na Cultura Contemporânea”

  • Mário Linhares: Estudou na António Arroio, licenciou-se em Design Paisagístico (IPVC) e depois em Design de Equipamento (FBAUL). Trabalhou nessas áreas, mas rapidamente a sua paixão de infância falou mais alto e dedicou-se ao Desenho. Mestre em Ensino das Artes Visuais (IE-UL), está a terminar o Doutoramento em Desenho na FBAUL. Desenha compulsivamente e idealiza, sem parar, projetos artísticos e humanitários. É casado, tem um filho, gosta de andar a pé e de bicicleta e de conversar com os amigos. Professor, co-fundador dos Urban Sketchers Portugal, foi diretor de educação dos USk e lidera atualmente vários projetos artísticos e sociais como os 5 Minutos de Desenho, as USkTalks, o Sketch Tour Portugal Reload, ou o Zambujal 360. Co-autor do livro Diário de Viagem | Costa do Marfim, premiado em França, contribui com desenhos para diferentes livros, exposições, palestras ou conferências em Portugal e no estrangeiro. Viajar, sonhar e desenhar é o que mais gosta de fazer.

  • Michela Degortes é investigadora integrada no ARTIS, Universidade de Lisboa. É licenciada em Arquitetura pela Universidade de Florença e è Doutora em História da Arte na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Os seus interesses de investigação centram-se nas relações artísticas entre Portugal e Itália entre os séculos XVIII e XIX, focando-se nas questões relativas à migração das tendências do gosto e de obras de arte.

 

Painel 2

  • Bernardo Pinto e Abreu: Licenciado em Ciências Militares Navais pela Escola Naval, Mestre em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da UL e especializado em Crítica, Curadoria e Teorias da Arte na Faculdade de Belas-Artes da UL. Actualmente exerce a prática de Arquitectura e gerente do turismo rural “Pico do Refúgio", nos Açores. Desde 2015 é Director do programa de residências artísticas do Pico do Refúgio.

  • Isabel Nogueira: é doutorada em Belas-Artes, área de especialização em Ciências e Teorias da Arte (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e pós-doutorada em História e Teoria da Arte Contemporânea e Teoria da Imagem (Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne). É historiadora e crítica de arte contemporânea, professora e ensaísta. Professora na Sociedade Nacional de Belas-Artes, investigadora integrada do CIEBA/Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, membro da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA) e do Institut Æsthetica: Art et Philosophie/Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne. É editora da revista Arte e Cultura Visual (CIEBA) e autora correspondente da revista Recherches en "Esthétique". 

  • João Paulo Queiroz: Curso Superior de Pintura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Mestre em Comunicação, ISCTE. Doutor em Belas-Artes, Universidade de Lisboa. Professor na Faculdade de Belas-Artes desta Universidade (FBAUL). Professor nos cursos de doutoramento em Ensino da Universidade do Porto e de doutoramento em Artes da Universidade de Sevilha. Coordenador do Congresso Internacional CSO Criadores Sobre outras Obras (anual, desde 2010) e diretor das revistas académicas Estúdio, Gama, e Croma. Coordenador do Congresso Matéria-Prima, Práticas das Artes Visuais no Ensino Básico e Secundário (anual, desde 2012). Dirige também a Revista Matéria-Prima. Membro de diversas comissões e painéis científicos, de avaliação, e conselhos editoriais. Consultor da FCT, Portugal. Atualmente Presidente da Sociedade Nacional de Belas-Artes, Portugal. Diversas exposições individuais de pintura. Prémio de Pintura Gustavo Cordeiro Ramos pela Academia Nacional de Belas-Artes em 2004.

Painel 3

  • Álvaro de Brito Moreira — Arqueólogo, investigador colaborador do Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” (CITCEM), chefe de divisão de Património e Museus da Câmara Municipal de Santo Tirso.

  • Samuel Silva — Artista Plástico, Professor Auxiliar da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e investigador integrado no Instituto de Investigação em Arte Design e Sociedade (I2ADS).

  • Andreia Garcia: Arquiteta, curadora e investigadora. Doutorada em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (2015). É directora da bienal art(e)facts. Programadora área da arquitectura e do território da candidatura da Guarda Capital Europeia da Cultura 2027. É co-fundadora e co-curadora da Galeria de Arquitectura, no Porto. Foi Professora Convidada na Escola de Arquitectura da Universidade do Minho (EAUM) e na Architectural Association-AA, em Londres. É Professora Auxiliar da Universidade da Beira Interior (UBI).

  • Lara Seixo Rodrigues: formou-se em Arquitetura, mas rapidamente começou a interessar-se por outras áreas artísticas, especialmente Arte Urbana. O associar desta paixão ao orgulho em ser serrana, fez surgir o WOOL – Festival de Arte Urbana da Covilhã, e desde então procurou aventurar-se noutros formatos, geografias e públicos, sendo exemplos disso, o LATA 65, o MURALIZA, o ESTAU e FAZUNCHAR. Faz curadoria e produção de diversas ações culturais e exposições, e para conseguir gerir todas estas facetas, fundou em 2014 a MISTAKER MAKER – Plataforma de Intervenção Artística, que tem por missão fomentar criativamente a produção e promoção de exercícios de Arte Contemporânea, em todas as suas formas de expressão.

  • Raquel Belchior: é licenciada em Produção de Teatro pela ESTC e mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação pelo ISCTE. Desenvolveu a sua dissertação de Mestrado sob o tema museus e comunidades, acompanhando a actividade do Museu Móvel, um projecto itinerante do Museu Carlos Machado, em São Miguel. Assumiu a direção de produção e pesquisa da série HISTÓRIAS DE MAR (RTP2), cofinanciado pelo PROMAR/EU. Foi responsável pela criação e produção do projeto PELOS QUE ANDAM SOBRE AS ÁGUAS DO MAR, projecto de teatro-documentário, financiado pela DGArtes, com o apoio da Fundação GDA, a Mútua dos Pescadores, CRIA-ISCTE, IELT-FCSH e os Municípios de Portimão, Setúbal, Sesimbra, Montijo e Nazaré. Concebeu e produziu  o projecto OUVIR O MAR DAQUI, no âmbito das JEP´19 para a CMSesimbra. Assumiu a coordenação de produção dos espetáculos do Teatro O Bando no Festival TODOS em 2019 e 2020. É co-fundadora da editora GALATEIA, faz parte da Ass. Cultural Ordem Meteórica e é cooperante do Teatro O Bando. Assumiu a direcção artística do espectáculo A CÉU ABERTO no Festival TODOS´21. Actualmente é produtora do FIAR - Festival Internacional de Artes de Rua e coordena o projecto OUTSIDERS – uma conferência intimista a partir de Virginia Woolf.

Painel 4

  • Hugo Cruz: Cruzei Campanhã e o Bonfim enquanto crescia, a janela de um 6ºandar com as ruas sem saída das avós, tias/os e primos/as. Dos percursos paralelos e simultâneos na psicologia comunitária e da criação artística encontrei respiração no que era o próximo do humano. Reconheci-me nos movimentos associativos e na ação cívica e política. Cruzei o ensino público com a educação não formal em Portugal, Brasil, França e Espanha. Insisti em encontros que me inspiram com Eugenio Barba, Augusto Boal, Carlo Bosso, Ademar Bianchi, Edith Scher, Sanjoy Ganguly e tantos outros com quem me surpreendo em cruzamentos inevitáveis todos os dias. Pelo meio, e pelo melhor, cocriei com artistas profissionais e não profissionais em prisões, centros comunitários, escolas, bairros sociais, onde me senti mais próximo da vida. Apresentamos espetáculos juntos em espaços públicos, fábricas e lotas, teatros nacionais e festivais, no Brasil e na China. Sonhei e concretizei com bons cúmplices a criação da Pele, do Núcleo de Teatro do Oprimido, da Nómada, de projetos experimentais no contexto de políticas públicas em Santa Maria da Feira. Cruzei o ensino superior, com workshops, conferências, residências, o ensino com a aprendizagem, o corpo com a palavra, a arte com a política. Construí formas de programar com os outros, curadorias múltiplas e diversas espaço onde continuo a apreender como se faz. Cruzei a criação artística com o pensar sobre a mesma em consultadorias para municípios e projetos públicos e para as Fundações Calouste Gulbenkian e BPI / La Caixa. Ainda por esse meio, escrevi, como respiração para uma realidade confusa e opaca. Hoje continuo à procura de como me cruzar no mundo como ele é, de me aperfeiçoar neste ofício de misturar coisas e pessoas, sendo que para o fazer é essencial saber de onde elas vêm. O território onde me constituo é este – o do cruzamento.

  • Luís Gomes da Costa: Pesquisador sonoro e gestor cultural em contexto rural. Coordenador da Binaural Nodar, uma organização cultural que desenvolve e acolhe desde 2006 na região portuguesa de Viseu Dão Lafões projetos ligados à etnografia sonora e visual, à investigação social e à arte contemporânea. Coordenador do Lafões Cult Lab, espaço na vila de Vouzela dedicado a residências artísticas em artes sonoras e media, a exposições e a outros eventos multidisciplinares. Coordenador do Arquivo Digital Binaural Nodar, um projeto de catalogação e mapeamento de aspetos da memória colectiva da região de Viseu. Autor e editor de publicações e orador frequente em temáticas ligadas à etnografia, à mediação comunitária e à arte contemporânea em contexto rural.

  • Rui Mourão: é artista e investigador em estudos artísticos. Trabalha com videoarte, que cruza com dimensões performativas e antropológicas. Estudou Artes (na Universidade Autónoma de Barcelona, no Centro de Estudos Cinematográficos da Catalunha, na Maumaus em Lisboa e na Academia de Artes de Malmö, na Suécia). É pós-graduado em Culturas Visuais Digitais e mestre em Antropologia (ambos no ISCTE). É doutorando em Estudos Artísticos (na FCSH-Nova) com bolsa FCT. Fez várias residências artísticas, vídeos/videoinstalações, performances, conferências, artigos académicos e livros (destaca o seu livro Ensaio de Artivismo - Vídeo e Performance, publicado pelo MNAC - Museu do Chiado). Expôs em mais de 100 exposições (individuais e coletivas), festivais e mostras de vídeo, em 17 países.

  • Virgínia Fróis: escultora, professora e investigadora (FBA.UL/VICARTE). Fundadora da Associação Oficinas do Convento (1996) em Montemor-o-Novo, e em Cabo Verde o Centro de Artes e Ofícios de Trás di munti (2009), realiza atividades no âmbito da etnocerâmica com destaque para o Projeto Ar no Mar (2006 a 2014).  Expõe em Portugal e no estrangeiro onde se destacam "(E)vocações" no Mosteiro de Alcobaça (2003), "Projeto Ressonância"s realizado no Brasil (2012) e "Cidadãos" (2017) nos Museu do Azulejo em Lisboa e no Museo Nacional de Artes Decorativas, Madrid, e  WAH, na  Fundação Eugénio de Almeida, Évora (2018). Participação na Bienal de Cerâmica Artística de Aveiro (2019) como artista convidada, "Projeto Guizos" e com o programa do Seminário Internacional: "Os processos participativos e a CERÂMICA" e editora do Livro (2019/21).  Forno à Inglesa no Pomarinho dos Monges, Montemor-o-Novo (2020/21).