MY HEAD IS MY ONLY HOUSE UNLESS IT RAINS | Kenneth Feinstein

Artista selecionado para a AiR Carpintarias/Flad 2022

Inauguração: 23 de Agosto
14h — 20h

Exposição: 23.08 - 28.08
14h - 20h

They brought me unconscious from over the water.
I’m used to not knowing which side I’m on.
Peter Blegvad

​Neste projeto, interessei-me pela forma como as pessoas são capazes de lidar com as exigências da adaptação em Lisboa em geral e na Mouraria em particular. Sendo neto de imigrantes judeus nos Estados Unidos, compreendo que algumas pessoas chegam a uma "nova terra" devido a traumas vividos na antiga residência e algumas vêm à procura de um melhor estilo de vida. Trazem consigo uma grande parte da primeira casa enquanto se habituam a uma segunda e, em alguns casos, a uma nova língua. Tendo vivido longe da minha terra natal durante mais de uma década e meia, percebo como é a acomodação a uma nova cultura e ambiente. Como as pessoas assumem saber quem somos através de sugestões visuais superficiais e do sotaque. Aqui queria saber tanto os desafios de passar de uma cultura para outra, como os benefícios de viver em novas circunstâncias.
Este trabalho é composto por três elementos apresentados uns em relação aos outros. Primeiro, reuni fragmentos de entrevistas com vários migrantes e portugueses de segunda geração, apresentando as suas vozes/opiniões de como é a vida aqui para eles. Intercalei estes clips com o. vídeo da Mouraria, apresentando uma parte da vida na vizinhança. Finalmente, fiz uma série de colagens baseadas nos azulejos encontrados no edifício da zona. Nestas obras, os azulejos são lentamente substituídos por relevos e estátuas do Sul e Leste da Ásia, misturando o imaginário tradicional católico com imagens do Hinduísmo e do Budismo.
Todas estas imagens são apresentadas através de três ecrãs, fazendo com que estejam em conversa entre si e com o espectador. O sistema é criado de modo a que as imagens sejam apresentadas numa ordem aleatória. Isto foi feito de modo a afastar as vozes das pessoas que participaram nas entrevistas, numa ordem que é determinada por mim como criador. Quero que a voz de cada um se liberte da manipulação para uma narrativa subtil. A obra pretende criar um sentimento de presença entre o espetador e os vídeos. A obra tem como objetivo promover o diálogo e não ser algo definitivo. Espero que o público se sinta envolvido neste projeto como se estivesse em conversa com os oradores em pessoa.

Kenneth Feinstein



Parceiro:
Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento

​Apoio:
Polo Cultural Gaivotas Boavista
Camâra Municipal de Lisboa

Biografia:
Kenneth Feinstein é artista, teórico, curador e escritor. É professor de 'art and media theory' na Universidade de Sunway em Kuala Lumpur, Malásia. Como artista e curador, expôs internacionalmente, incluindo exposições individuais no Chelsea Art Museum, Nova Iorque e no Jogja Nasional Museum, Jogjakarta, Indonésia. As exposições coletivas incluem o Centre Pompidou, Paris; White Chapel Gallery, Londres; Millennium Museum, Pequim; a National Art Gallery, Malásia; e o Museum of the World Ocean, Kaliningrado, Rússia. Os seus filmes premiados foram exibidos em festivais de cinema, incluindo o Festival Internacional de Cinema de Edimburgo, o Festival de Cinema de Brooklyn e o Festival de Cinema de Oaxaca. Foi curador exposições de 'new media' em Singapura e na Malásia.
Os seus textos e trabalhos centram-se nos meios como presença e as suas implicações éticas. Publicou livros, artigos e deu palestras sobre questões relacionadas com a presença e a ética da prática 'new media'. É autor de The Image That Doesn't Want to Be Seen, Apropos Press.