Menino Júlio Post_web-03.png

FINALMENTE MENINO JÚLIO

de Joana Cotrim

em Co-criação com Marta Sousa Ribeiro e Pedro Sousa Loureiro

7 — 11 | 14 — 17 Setembro

7 - 8.09: 21h30 | 9 - 10.09: 19h+21h30 | 14.09: 21h30 | 15 - 17.09: 19h + 21h30

Espetáculo de teatro nas Carpintarias

Duração aproximada: 120 min

Apoios: CML, DGArtes and Calouste Gulbenkian Foundation

 

FINALMENTE MENINO JÚLIO consiste numa longa metragem com rodagens iniciadas em 2021, no âmbito dos ensaios dos actores para a respectiva peça, e que se ramifica num espetáculo de teatro, espetáculo esse com apresentações em Setembro de 2022, que serve o propósito de finalizar o filme, cruzando os dois campos artísticos como forma dialética de criação, onde atores e realizadoras se encontram no mesmo palco em presença do público para filmarem as restantes cenas do filme, tratando- se de uma co-criação da atriz e realizadora Joana Cotrim e Marta Sousa Ribeiro.

A finalização das rodagens do filme consiste na “invasão” da câmara no espaço teatral enquanto voyeur, gerando camadas, dimensões e planos diferenciados. Partimos da peça original de Strindberg e da relação homem/mulher, mantendo as intenções originais do texto, mas modificando o género das personagens. Não se trata aqui de transvestismo ou transformismo, mas sim uma conversão dialética que nos confere uma capacidade de reconhecimento através do outro, pelo movimento verbal de EU para o OUTRO. Se o sujeito existe apenas entre a relação diferencial com os outros, então por que não pensar através de novos modos de troca como um método de possível mudança social. A projeção no outro sujeita-se assim a ser uma forma de esclarecimento do sofrimento e da dor, e do pensamento do outro. Daí fazer surgir temas como o desejo de escape e de mudança, a noção de submissão ao outro, o abuso de poder, o condicionamento das circunstâncias de vida e o amor como resolução de expectativas e ambições. Este movimento de troca não nasce nem morre, aproxima-se da verdadeira compreensão do outro. Porque existe um sair de si mesmo que talvez nunca volte a si mesmo. Daí o seu risco de se perder. Perder a sua linguagem, a sua identidade para finalmente compreender o outro. Sendo esta a questão fulcral do projeto que só pode existir performaticamente. O filme serve como lugar e espaço para dar a resposta, é através do efeito performático que pretendemos revelar a compreensão deste conceito.

 

Formalmente, trata-se de uma ficção com uma metalinguagem sobre o fazer teatral e cinematográfico onde se abordam os limites da ficção e da realidade, do ator e da personagem, os limites do teatro e do cinema e como cada um se pode servir do outro para ampliar e gerar significados. Ao longo das rodagens gerou-se a consciência e a vontade de desdobrar a ficção em várias camadas, como urgência para se falar do que está além do drama. A esta consciência decidimos chamar “a morte da ficção”, como um segundo conceito chave que justifica a concretização do filme.

A reflexão que fazemos no projecto é sobre a vontade de revelar o que está além do drama como gesto de elucidação e de perda da ingenuidade. Procuramos saber porque razão as histórias ficcionadas vão perdendo o interesse na sociedade em geral, que vai sendo dominada por reality shows. Em contrapartida, a realidade já não é algo a que nos possamos agarrar quando todo o resto colapsa, e é precisamente em 2022, no contexto de guerra, que sentimos isto. Os conceitos de realidade e ficção misturam-se e a única saída parece ser a da aceitação. Intercalar a ficção de Strindberg e a reflexão sobre a potencial morte da ficção é a base formal que sustenta FINALMENTE MENINO JÚLIO.

Ficha técnica

Ideia original, criação e texto:
Joana Cotrim

A partir de

“Menina Júlia” de August Strindberg

Co-criação

Marta Sousa Ribeiro Pedro Sousa Loureiro

Interpretação
Joana Cotrim
Pedro Sousa Loureiro Sérgio de Brito

Câmera

Marta Sousa Ribeiro

Produção

Sérgio de Brito

Iluminação e operação de vídeo e som

Marco Lopes

Realização (filme)

Joana Cotrim
Marta Sousa Ribeiro

Argumento (filme)

Joana Cotrim

Interpretação (filme)

Joana Cotrim
Marta Sousa Ribeiro Pedro Sousa Loureiro Sílvia Almeida
Tiago Raposinho

Fotografia (filme)

Marta Sousa Ribeiro

Assistente de Produção (filme)

Sílvia Almeida

Captação e Mistura de Som (filme)

Tiago Raposinho

biografias reduzidas

Joana Cotrim fez o mestrado em encenação pela Royal Institute of Theatre, Cinema and Sound em Bruxelas com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian de 2015 a 2017. Licenciada pela Escola Superior de Teatro e Cinema, ramo atores, em 2012. Bacharelato no ISPA na área de psicologia clínica. De 2011 a 2015 trabalhou como atriz no teatro Nacional D. Maria II, integrando o elenco artístico fixo de 2012 a 2015. Funda em 2013, com Pedro Sousa Loureiro, OS PATO BRAVO, vencendo na Categoria de Teatro, os Prémios Novos 2016 com a peça Monumentos. Desenvolvem projetos teatrais e site-specific, entre eles, Demóscar, Of of Medeia e Monumentos, em co-criação e My Beauty Tv Project, Prelúdio para Helena, Permanent Finit, The Revolution e Ticket to Heaven como criadora e autora, onde procurava a dissociação e anacronismo entre formas e conteúdos. Recentemente funda O Clube e tem vindo a trabalhar em parceria com Rita Morais e Ana Sampaio e Maia. Co-criadora de Noite e Dia, projeto com circulação internacional em Antuérpia e Bruxelas, A Família e As Três Irmãs Fufas. No cinema trabalhou com, Sérgio Graciano, Sérgio Henriques, Jacinto Lucas Pires, José Castro, Miguel Faria, Leonardo Mouramateus, Frederico Serpa, Paulo Prazeres e Marta Sousa Ribeiro. Participou em diversas produções televisivas para a Plural e para a SP Televisão. Atualmente está em digressão com MARIDOS, espetáculo da Companhia do Teatro Mosca e simultaneamente a co-realizar uma longa metragem em fase de desenvolvimento com Marta Sousa Ribeiro (PRAÇA FILMES 2022).

Marta Sousa Ribeiro nasceu em 1992 (Lisboa). Em 2011 interrompeu o curso de cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema, mais tarde ingressou nos cursos de Desenho e Pintura na Ar.Co, enquanto realizava a primeira curta-metragem. Estudou no European Film College, na Dinamarca (2012 - 2013), onde realizou a segunda curta-metragem. Foi uma das co-fundadoras da produtora de cinema & vídeo VIDEOLOTION, onde produziu, juntamente com o realizador Pedro Cabeleira, a longa-metragem VERÃO DANADO (VIDEOLOTION / OPTEC . 2017) - Menção Especial Cineasti del Presente Locarno 2017. Mais à frente realizou o 5o episódio da websérie SUBSOLO (VIDEOLOTION . 2018) para a RTP - Prémio Melhor Série Internacional Carballo Interplay 2020; e co-realizou, com Joana Peralta, o 13o episódio da série de animação infantil CRIAS (VIDEOLOTION / PRAÇA FILMES / JPL FILMES . 2019) - Selecção Oficial Annecy 2019. Foi produtora executiva de diversas curtas, longas, vídeo-instalações, webséries, entre outros. Estreou a sua primeira longa-metragem SIMON CHAMA (VIDEOLOTION . 2020) no Festival de San Sebastián, projecto que recebeu os prémios Eurimages Lab Project Award (2018), Melhor Realização para longa-metragem Portuguesa no IndieLisboa 2021 e Convocatória Aberta para Mulheres Cineastas Portuguesas (2021), promovido pela Netflix e Academia Portuguesa de Cinema.

Pedro Sousa Loureiro nasceu em Coimbra em 1989. Frequenta atualmente o programa de Mestrado em Theatre Directing na RITCS, com bolsa de formação em Artes no Estrangeiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Frequentou o curso de Artes Plásticas na ESAD (Caldas da Rainha) e é licenciado em Teatro pela ESTC. Em teatro trabalhou com: Maria João Rocha, Joris Lacoste, Lisbeth Gritter, Jorge Silva Melo, Ricardo Neves-Neves e Sofia Ângelo. Fundada em 2013 com Joana Cotrim, OS PATO BRAVO com quem Co-cria OF OF MEDEIA (Primeiros Sintomas - 2014), MO NU MENTOS (Espaço Companhia Olga Roriz - 2015). Durante 6 meses em 2016 apresenta Palavra Com Lugar em torno de Mário Cesariny, na Pensão Amor. Encena BEAUTIFUL HOUSE, a partir do universo da artista plástica Martha Rosler, com apoio à criação da Fundação Calouste Gulbenkian (Caves Liceu Camões - 2017). OS PATO BRAVO recebem, na Categoria de Teatro, os Prémios Novos 2016. Participa nas residências Artísticas da Nomadways em Bernay-en-Ponthieu (França 2016). Em Bruxelas 2017 participa no espectáculo TICKET TO HEAVEN de Joana Cotrim, no KVS BOX. Cria IMPERATORE em 2018, também da sua autoria. Programas de rádio criados para a Antena 2: INTERSECÇÕES (2016) SHOT DE LIBERDADE (2020). Em Setembro de 2019 iniciou a primeira fase de um documentário filmado na Arménia colaborando com Today Art Iniciative. Residências Artísticas Internacionais: Nomadways - Bernay-en-Ponthieu (França,2016); Bruxelas -TICKET TO HEAVEN de Joana Cotrim, no KVS BOX. (Bélgica 2017); Bruxelas & Ghent - EN LOLEETA de Axelle Verkempick (Bélgica 2018); Today Art Iniciative - Yerevan - Arménia (2019). Em 2021 criou o espectáculo ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S) em co-produção com o Teatro Viriato.

Sérgio de Brito, natural de Paredes no Porto, é Licenciado em Ciências da Comunicação e da Cultura, pela Universidade Lusófona do Porto (2013), estudou produção no Centro de Estudos Jornalísticos de Lisboa CENJOR (2014) e trabalhou como jornalista no grupo Cofina (2014). Em 2016, frequentou o curso de teatro - ramo atores, da Escola Superior de Teatro e Cinema. Dos projetos em que participou como ator, destacam-se Eu não sou daqui, do encenador brasileiro João Fábio Cabral (Teatro do Bairro, 2017), as performances Casa Coração (Teatro Ibérico, 2018) inseridas na festa Baile do Engate de Sara Ribeiro. Participou em Atlas de Ana Borralho e João Galante (Teatro São Luíz, 2018), e A Paixão, de Romeo Castellucci (Centro Cultural de Belém, 2019). Gravou para a RTP2 Dolls (2019) de Ivo Saraiva e Silva, peça de teatro para televisão e fez parte do elenco de Fora de Campo da companhia SillySeason (Teatro Taborda, 2020). Recentemente colaborou com Ana Sampaio e Maia no espetaculo Revista cor-de-rosa (Fevereiro 2022). Em 2021 Sérgio de Brito foi um dos vencedores da Gulbenkian no âmbito das candidaturas a teatro com o seu projeto AGE OF AQUARIUS com data de estreia a 12 de Maio de 2022 na Rua das Gaivotas6 em Lisboa. Recentemente, participou do Laboratório de criação do artista e dramaturgo espanhol José Manuel Mora no espaço da companhia A TURMA no Porto, fez a produção do espetáculo Revista cor-de-rosa e De Luto pela vida de Hugo Tourita. final de 2022.

Tiago Raposinho, nascido em Lisboa (1981), terminou os estudos em Cinema, opção Som, na Escola Superior de Teatro e Cinema - IPL, no ano de 2004. Integrou o mercado de trabalho na área das dobragens de animação em 2004, período em que exerceu as funções de técnico de gravação e mistura, servindo também de director de actores e actor de dobragens. Saiu após dois anos, em 2006. No ano de 2007 é contratado pela produtora Cinemate para desempenhar funções em pós-produção de conteúdo televisivo, ficcional e não só, numa primeira fase, tendo posteriormente passado também a assumir funções de captação de Som, designadamente em duas longas-metragens e diversas séries documentais. Terminou definitivamente o seu vínculo a esta casa no início do ano de 2012. Em 2011 é contratado pelas Produções Fictícias para desempenhar as funções da pós-produção áudio num programa semanal de conteúdo humorístico, tendo acumulado, individualmente, a partir de 2012, as funções da pós-produção áudio na totalidade da programação do canal televisivo da produtora, o Canal Q, tendo terminado esta colaboração em Junho de 2016. Ao longo dos anos decorridos após a conclusão dos estudos em Cinema, a participação em produções cinematográficas tinha vindo a verificar-se de forma gradual, até que, em meados do ano de 2016, dá-se o salto definitivo para a independência. As funções desempenhadas dão- se assim na fase da produção (rodagem) como na fase da pós-produção (montagem de som e mistura).